Propostas

Curricular e Formação Complementar

Nossa proposta curricular torna o aluno protagonista no processo de aprendizagem..

Entendemos que o currículo deve ser a integração do conhecimento acumulado pela humanidade com toda e qualquer produção de conhecimento que acontece na escola, bem como a aplicação deles no seu espaço. O currículo vai muito além dos conteúdos das diferentes áreas de estudo e disciplinas, pois ele também deve trazer para dentro das discussões de sala de aula as vivências de seus alunos. O currículo assim, resulta na construção do cotidiano da escola, se adequando, se criando, se re-criando, se criticando.

Nesta abordagem, que pressupõe um currículo aberto, não cabe a adoção de materiais apostilados ou de sistemas de ensino que determinam, a priori, conteúdos a serem ensinados. No seu lugar garantimos, por meio da criação de vínculos entre as diferentes áreas do conhecimento e o cotidiano, trabalhar com conceitos e não com a reprodução de conteúdos, se apoiando na literatura, livros didáticos, nas tecnologias de informação e comunicação, dentre tantos outros recursos. As combinações têm se mostrado infinitas: têm propiciado a vivência coletiva da arte com a literatura; do folclore e cultura popular com nossas festas; das mídias digitais com os debates sobre problemas da nossa sociedade; do teatro e da música com a expressão corporal; das ciências com as invenções e culinária; da ecologia com o espaço da escola.

Esta forma de trabalhar permite um ganho aos alunos, posto que não se restringe à aprendizagem de conteúdos hierarquicamente organizados. Em função disso, a trajetória acadêmica deles é ampliada, o que possibilita o desenvolvimento de múltiplas linguagens: oral, escrita, matemática, imagética, corporal, que oportunizam a expressão do pensar sem limites pré-estabelicidos pelas faixas etárias.

O currículo pode propiciar a abertura para pensar outra educação, ser um espaço de pensar sobre o pensamento, que não lida com verdades postas, e as reconhece como provisórias.

Formação Complementar

Atividades para ano letivo de 2017

 

A Escola do Sítio oferece o período vespertino de maneira a compor, junto ao período da manhã, o período integral. As atividades apresentadas são planejadas e selecionadas levando-se em conta a proposta pedagógica da escola e seu compromisso com a nossa cultura e o fortalecimento do desenvolvimento acadêmico dos nossos alunos. Para tanto, além da recreação, trabalhamos o apoio pedagógico no desenvolvimento de conceitos e conteúdos e também em atividades voltadas para melhorar o rendimento escolar dos nossos alunos.

Nossa proposta é de privilegiar questões ou situações reais e concretas, que sejam contextualizadas e que interessem de fato aos alunos. Tal proposta é possível por intermédio de uma metodologia que propicia ao aluno compreender a situação-problema do cotidiano e o envolva intensamente numa atividade educativa que o transforme em agente ativo e corresponsável pelo seu aprendizado. O conjunto de atividades propostas tem como objetivo apoiar o desenvolvimento do currículo, os tempos e os espaços escolares.

 

A organização

Diante da proposta, a Escola do Sítio continuará oferecendo no ano letivo de 2017, no período vespertino (tarde), um conjunto de estudos e atividades que compõem uma formação complementar à que ocorre no período da manhã.

Duas linhas de atuação constituem o que denominados de “Formação Complementar”:

  1. Recreação (professoras das turmas)
  2. Linguagens (profissionais diversos)

 

  1. a) Recreação

 

A Recreação na Escola do Sítio pode ser definida como um dos caminhos no processo de ensino aprendizagem, com potencialidades para desenvolver a ética, a inclusão escolar e social. Ela se caracteriza por ser muito alegre e divertida. Numa sequência lógica, parte da temática central desenvolvendo-se em subtemas ações e atividades educativas.

As vivências são trabalhadas na sala de aula, nos ambientes de recreação naturais (horta, lago, playground, etc) e informatizados, de forma dinâmica, propondo uma aprendizagem significativa, contextualizada e sistematizada. Além de atividades lúdicas, da culinária, do teatro, da música, das artes plásticas, do esporte, da yoga etc, instigam a importância da leitura, da escrita, das informações, das habilidades, das competências e dos conceitos desenvolvidos no período da manhã.

A Escola do Sítio por ser inclusiva, trabalha com perspectiva e não com expectativa. A perspectiva permite vislumbrar um futuro com esperança, correr atrás dos sonhos, trabalhando a solidariedade e a compaixão com sucesso. Enquanto que a expectativa se fundamenta apenas no que já está assegurado devido à abordagem trabalhada.

Nossa metodologia instiga processos internos de desenvolvimento mental. Pretendemos desenvolver a afetividade e a cognição numa perspectiva ética estética inclusiva. Estimula a percepção visual, tátil, olfativa ou auditiva. Motiva e mobiliza o interior pela emoção, instigando o prazer de aprender a ser e conviver, desenvolvendo sentimentos e internalizando valores. Cria oportunidades para que possam produzir reproduzir, sonhar e criar o novo.

Além das atividades do cotidiano, a escola contará com as linguagens que irão enriquecer ainda mais as atividades da recreação.

 

  1. b) Linguagens

As linguagens, na Escola do Sítio, atuam como apoio ao currículo trabalhado no período da manhã. Procuramos com essa formação, contextualizar ainda mais o currículo e dar significados ao que se aprende por intermédio de atividades que contribuam para a formação de competências gerais e específicas dos nossos alunos.

As linguagens também possuem um projeto pedagógico, não se limitando em desenvolver atividades desconexas, fragmentadas e sem relação concreta com o currículo.

Os professores da manhã e da tarde planejam a Formação Complementar por meio de atividades que complementem o currículo, seja por contextualização ou por temas diretamente ligados a alguma(s) disciplina(s).

Desta maneira, o ensino na Escola do Sítio é realmente integral, pois dá significado e significância ao que se aprende ao estabelecer uma relação entre os conteúdos da manhã com as atividades do período da tarde. Os alunos, assim como no período da manhã, podem atuar como agentes criadores e transformadores e direcionar as atividades por meio de suas questões e inquietações, para que as mesmas despertem o interesse pelo aprendizado e os induzam para construção de novos conhecimentos.

Para que seja possível esta complementaridade entre o currículo formal e a formação complementar, as atividades são organizadas por competências ligadas ao saber, ao saber fazer e ao saber ser, envolvendo assim o conhecimento, as habilidades e as atitudes. Ao mobilizar esse conjunto de competências o aluno passa a construir seu aprendizado.

Os professores do período da manhã podem sugerir temas, pesquisas que contextualizem o que se trabalhou em suas aulas, para serem trabalhados nas atividades do Estudo Complementar.  Evidentemente que essas atividades devem ser um enriquecimento ao conteúdo, pois a aquisição do aprendizado deverá ocorrer nas situações cotidianas do currículo trabalhado no período da manhã. Assim o estudo complementar atua como um agregado ao currículo e ela não será o único meio em que se aprendem determinados conteúdos, mas sim um apoio.

 

Descrição das linguagens de 2017:

 

  1. Ballet e dança aplicada a consciência e expressão corporal.

 

Professora: Adriana Salles Dall´Oca

Dançarina e professora de dança.

O projeto das aulas de dança clássica e contemporânea às crianças de Educação Infantil ao Ensino Fundamental I foi pensado para proporcionar o despertar da consciência e expressão corporal.

Tem como objetivo apresentar e desenvolver, através de aulas lúdicas grupais, uma vivência em dança clássica e contemporânea que integrem o fazer, a apreciação e a contextualização artística por meio de processos referenciados aos estudos das técnicas de Klauss Vianna, Rudolf Von Laban. Também serão trabalhados os processos de criação em dança, com improvisações, composição coreográfica e execução de sequências coreográficas.

A ideia é proporcionar aos alunos, vocabulário de movimentos; ampliação das referências espaciais e temporais; desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, a fim de que estes percebam a dança como instrumento de compreensão corporal/pessoal e de comunicação.

Para quem: alunos da Educação Infantil (Maternal B, Jardim I e II)

alunos do Fundamental I (1º ao 3º ano)

 

 

 

  1. Teatro

 

Professor:  José Guilherme Pereira Bergamasco (Zuza)

Desenvolve atividades com circo e teatro há dez anos. Participou de diversas produções em que trabalhou com cenário, figurino, como ator, na preparação de atores e na captação de financiamentos, tanto institucionais como privados. Zuza é ex-aluno da Escola do Sítio e tem enorme empatia com o seu projeto pedagógico, o qual influenciou significativamente suas escolhas profissionais. É formado em Educação Física e é propositivo no sentido de alinhavar as expressões corporais e a arte em sua raiz qualificativa, como menciona seu memorial descritivo.

O Teatro é uma manifestação cultural das mais antigas. A representatividade inerente a esta arte é de grande valia para as relações humanas em geral, uma vez que o teatro desenvolve a nossa capacidade de ser e estar. Ele proporciona uma interação humana entre aqueles que desenvolvem esta arte. Oportuniza a inclusão e o desenvolvimento da criatividade no sentido de expressão. Na Escola, a atividade teatral possibilita uma interdisciplinaridade, podendo ser veículo facilitador de Interação entre as disciplinas curriculares.

Tem como objetivo desenvolver a capacidade criativa dos alunos aprimorando suas formas de expressão e de interação entre seus pares. Bem como a aprendizagem de técnicas de criação, atuação e interpretação teatral.

A metodologia usada será pautada em diversas ferramentas como:  a Instrumentalização artística: Jogos cênicos teatrais como: “Campo de visão”; “Obra e artista”; “Dança dos Ventos”; “Lançamentos de objetos imaginários”; “A mimese de animais”; etc. Processo de Criação: Jogos criativos: (dinâmicas englobando as temáticas selecionadas que desembocam em pré-cenas). Confecção de figurinos com materiais recicláveis contemplando as necessidades do processo criativo. Confecção de cenários também com materiais recicláveis (arte poveira). Repetição e fechamento das cenas, lapidação dos gestos. Apresentação de um exercício cênico teatral na Escola.

Para quem: alunos do Fundamental I e II (3º ao 9º ano)

 

  1. Capoeira

 

 

Professora: Luciana Pimenta (Lu Pimenta)

É integrante do Grupo Cordão de Ouro fundado pelo Mestre Suassuna e Brasília, como Mestre de Capoeira. Formada em Educação Física pela Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte e Universidade Claretiano de Campinas. Fundadora e coordenadora do Projeto Social Capoerê, desde 1997. Lecionou Capoeira em diversas academias e Escolas do estado de Minas Gerais, na cidade de Campinas e também em Países no exterior. Atualmente leciona capoeira na Academia Cordão de Ouro e Escola Sítio.

É coordenadora e Idealizadora do Movimento Feminino de Capoeira de Belo Horizonte e região Metropolitana.

As aulas de capoeira, na Escola do Sítio, têm como objetivo explorar a cultura da capoeira no sentido mais amplo como os estilos Angola e Regional (golpes, defesas, sequências), movimentos característicos do Grupo Cordão de Ouro, acrobacias, história dos instrumentos e mestres tradicionais, contribuindo principalmente para o desenvolvimento dos alunos nos aspectos motor, cognitivo e social através dos movimentos corporais, musicalidade, cooperação e integração nas atividades propostas.

O Grupo Cordão de Ouro surgiu em 1967, no estado de São Paulo, com os Mestres Suassuna e Brasília. Hoje, possui filiais em todo Brasil e Exterior contribuindo para a expansão da Cultura Brasileira através de seus professores, contra mestres e mestres formados.

Para quem: alunos da Educação Infantil (Jardim I e II)

                      alunos do Fundamental I (1º ao 5º ano)

                       alunos do 6º ano

 

 

  1. Percussão

 

 

Professor: Ivens Burg Cacilhas

Vasta experiência na produção e montagem de espetáculos artísticos. Também participa do Grupo Cupinzeiro e é professor de Percussão na Escola, desde o início do projeto em 2012.

Nas aulas de Percussão continuaremos os trabalhos com jogos e brincadeiras que envolvem ritmo e musicalidade, para estimular a percepção de tempo e pulsação, essenciais para a prática musical. Brincaremos com percussão corporal e músicas do universo infantil.

Continuaremos também com o desenvolvimento da concentração e coordenação motora, necessárias para manter uma pulsação e conseguir usar outros sentidos ao mesmo tempo, tocando e cantando simultaneamente. Acreditamos que esse trabalho enriquece a formação das crianças por ampliarem o contato com outras formas de percepções e sentidos e de como usa-los na prática, artisticamente de forma lúdica e não competitiva.

Nesse ano pretendemos também incrementar nossa Oficina de Percussão com a construção de alguns instrumentos, visando a promoção da consciência ecológica, de reciclagem, de valorização dos materiais utilizados e despertando a curiosidade das crianças, sua imaginação e criatividade, o que contribui também para o entendimento de questões elementares referentes à produção do som e às suas qualidades.

Para quem: alunos do Fundamental I (1º ao 5º ano)

alunos do 6º ano

 

 

 

  1. Circo

 

 

Professor: José Guilherme Pereira Bergamasco (Zuza)

Desenvolve atividades com circo e teatro há dez anos. Participou de diversas produções em que trabalhou com cenário, figurino, como ator, na preparação de atores e na captura de financiamentos, tanto institucionais como privados. Zuza é ex-aluno da Escola do Sítio e tem enorme empatia com o seu projeto pedagógico, o qual teve influenciou significativamente suas escolhas profissionais. É formado em Educação Física e é propositivo no sentido de alinhavar as expressões corporais e a arte em sua raiz qualificativa, como menciona seu memorial descritivo.

Compreendemos o Circo como um fenômeno social de grande impacto. Em alguns momentos da história da humanidade o circo era a maior se não a única expressão artística cultural, chegando a ser o principal veículo de manipulação de massa em algumas civilizações. Sua linguagem artística, ancorada em princípios de virtuosidade humana, em termos físicos e motores resguardam, até os dias de hoje, um rico ambiente de estudos das manifestações corpóreas.

Tem como objetivo desenvolver atividades corporais lúdicas e criativas, provenientes do universo circense, com enfoque no aprimoramento das capacidades motoras, considerando as fases do desenvolvimento humano.

As metodologias usadas serão pautas em diversos instrumentos como:  Corpo: conceitos anatômicos, Fisiológicos e Cinesiológicos através de jogos e dinâmicas; Corpo em movimento: acrobacias de solo (Cambalhota, Estrela e Pirueta); Corpo em movimento dentro de um tempo: Corda e jogos de atenção; Corpo com objetos: Malabares (confecção de malabares com materiais reciclado);  Corpo com outro corpo: Pirâmides humanas Equilíbrio: Corda bamba, perna de pau, monociclo; Corpo nos Aparelhos: Tecido, trapézio e Lira; Corpo em Cena: Palhaço; Criação de um mine espetáculo Circense a ser apresentado na escola.

Para quem: alunos da Educação Infantil (Jardim I e II)

alunos do Fundamental I (1º, 2º e 3º ano)

 

 

  1. Culinária nas tardes do Sítio

 

 

Professora: Eliana Pereira Rollo

Graduada em pedagogia, atua como professora desde 1997 na Educação Infantil e Ensino Fundamental. É professora da Escola do Sítio desde 2003.

 

A ideia de trabalhar com crianças um projeto de culinária é por acreditar que entre tigelas e colheres de pau, os pequenos podem aprender uma porção de coisas importantes. Dentre elas, podemos destacar: a transformação dos alimentos que sofrem ação do frio e do calor; o conhecimento, o manejo e a descoberta para que servem os tipos de utensílios utilizados na cozinha; o conhecimento dos objetos de medidas; a leitura e interpretação de receitas.

Para os que ainda não sabem ler, faremos uso de decifrações de ilustrações coloridas que representam os ingredientes da receita trabalhada.

Outro aspecto interessante, além dos conceitos citados, será a exploração a cerca do conhecimento de tradições e pratos típicos de outros estados e países, a interação com os colegas, o trabalho em grupo a cooperação, e a aquisição de hábitos saudáveis de alimentação, de maneira prática com a abertura para experimentações de sabores e saberes.

E para terminar a hora da degustação… Hum… Será a e que ficou bom?

Para quem: alunos da Educação Infantil (Maternal A e B,  Jardim I e II)

alunos do Fundamental I (1º, 2º, 3º ano)

 

 

  1. Atividade esportiva

 

 

Professor: Nikolas Garcia

Graduado em educação física e saúde pela Universidade de São Paulo (USP). Está cursando pós graduação em Bioquímica, Fisiologia, Treinamento e Nutrição Desportiva pela Unicamp.

Tem experiência com esportes adaptados para idosos, pesquisa científica, atividades de lazer, natação para crianças, atendimento personalizado para alunos em treinamento funcional e musculação.  Tem como prática atividades lúdicas que favoreçam uma melhora na qualidade vida e do repertório motor.

Esse projeto, na Formação Complementar, visa propiciar aos alunos interessados, uma vivência mais aprofundada nas modalidades esportivas selecionadas. Exercícios de treinamento nas habilidades específicas dessas modalidades são aplicados no intuito de desenvolver técnicas de aprimoramento de movimentos e jogos em equipe.

Para quem: alunos do 5º ano

alunos do Fundamental II (6º ao 9º ano)

 

  1. Oficina de Matemática

 

 

Professor: Marcel Alves Moro

Possui graduação em Matemática Aplicada e Computacional pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). No momento está finalizando o Mestrado em Matemática Aplicada na UNICAMP, onde cursa também o último ano do curso de Licenciatura em Matemática.  Atuou como auxiliar didático nas disciplinas de Cálculo III e Cálculo Numérico da UNICAMP por um período de 5 semestres, através dos programas PAD (Programa de Apoio Didático) e PED (Programa de Estágio Docente). Foi selecionado para implantação do projeto do Governo “OBMEP na Escola”, que visa preparar os alunos de escolas públicas para a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas de 2017.

 

A oficina de Matemática é oferecida no contra período, com o objetivo de retomar os conceitos trabalhados nos cursos regulares do Fundamental II (6º ao 9º ano). Questões de raciocínio lógico são exercitadas nas atividades propostas que visam estimular e auxiliar os alunos na compreensão dos conceitos e conteúdos desenvolvidos nas aulas da manhã. Os mesmos são retomados no período da tarde, para os alunos que necessitam de outro tempo para a apropriação dos mesmos.  A escolha dos alunos é feita pelo professor e coordenadora considerando as necessidades e os deslocamentos dos mesmos. São duas aulas, na segunda-feira e sexta-feira das 14 até 16 horas para as turmas do 8º/9º anos e 6º/7º anos, respectivamente.

Para quem: alunos do fundamental II (6º ao 9º ano)

 

 

  1. Yoga

 

 

Professora: Milena Scatolino Mesquita

Atua como professora de Kundalini Yoga (certificada pela KRI – Kundalini Research Institute) desde o ano de 2009. Especializou-se em Kundalini Yoga com gestantes em 2011 e em 2014, em Kundalini Yoga com crianças.  Por ser praticante desde a infância, percebe a necessidade real do desenvolvimento da consciência desde o início do processo de aprendizagem e troca.

As aulas são estruturadas a partir de histórias com diversos personagens que têm um repertório de movimentos fundamentados em àsanas (posturas corporais), pranayamas (exercícios respiratórios) e relaxamento, objetivando a contribuição para uma melhor qualidade de vida das crianças e dos professores.

 

Para quem: alunos da educação infantil (Maternal A e B, Jardim I e II)

professores da escola

 

 

  1. Arte humanística

 

 

Professor: Luiz Alberto Andrade Filho (Nanuka)

Nanuka Andrade é escritor, ilustrador e acadêmico correspondente da Academia de Letras do Brasil (seccional Araraquara). É autor de livros infanto-juvenis e tem participação contante em antologias de livros de fantasia. Possui vinte anos de experiência como ilustrador de projetos educativos, além de treinamentos corporativos para empresas como Natura, Banco do Brasil e Grupo Notredame. Oferece oficinas de desenho, cinema de animação e origami.

 

Embora as oficinas percorram as principais técnicas do desenho, o foco será a criação de valores humanos, baseado na cultura de paz e educação, idealizada pelo pedagogo Tsunesaburo Makiguti. É o despertar da sensibilidade e não apenas a apreensão cognitiva da técnica e de suas ferramentas que realmente conta. Os diferentes olhares sobre o mundo, a convivência em grupo e a criação de desenhos individuais e coletivos auxiliam de maneira efetiva na construção de um aluno mais feliz e sensível.

 

Para quem: alunos do Fundamental I (1º ao 5º ano)

                       alunos do 6º ano

 

 

  1. Produção textual

 

A Oficina de Produção Textual terá por objetivo auxiliar no desenvolvimento de habilidades competências essenciais de leitura (as mais variadas) e escrita no processo de aprendizagem, de maneira bastante dinâmica. Essas são habilidades essenciais para todas as disciplinas, e assim nosso objetivo será o de ampliarmos nossa atenção a elas. Desse modo, na Oficina de Produção Textual haverá leituras conjuntas de textos que apresentem diversos pontos de vista sobre um mesmo assunto, diferentes níveis de dificuldade nos textos, estudo de gêneros literários, discussões e atividades escritas para estimular e avaliar a compreensão e o desenvolvimento de habilidades de registro seja através da escrita formal ou como material midiático (através de painéis, revista, jornal, vídeo ou outros que possam ser criados pelo grupo e professor(a).

Para quem: alunos do 6º ao 9º ano

 

 

  1. Atividade complementar: apoio pedagógico

 

Professora: Myriam Wonsik

Professora da escola há vários anos e com vasta trabalho e grande experiência no acompanhamento pedagógico de crianças da faixa etária em questão.

 

A Escola do Sítio, buscando alternativas para diversificar o apoio a aprendizagem de alunos com dificuldades na construção e desenvolvimento de habilidades e competências e também para atender a proposta de alguns pais, passará a oferecer GRATUITAMENTE a atividade de Apoio Pedagógico. Esse trabalho será realizado no período da tarde em pequenos grupos de alunos que serão indicados depois de sondagem e avaliação feita pelas professoras e coordenação pedagógica. A proposta de implantação dessa atividade torna-se uma importante alternativa para questões ou situações reais e concretas, contextualizadas, que interessam de fato aos alunos que se encontram com dificuldades de aprendizado. Propiciará a melhoria no aproveitamento escolar, sejam eles momentâneos ou sistêmicos, pois haverá um momento além do ensino regular para que os alunos possam sanar suas dificuldades. O objetivo do projeto é estabelecer uma prática metodológica voltada para a construção e desenvolvimento de habilidades e competências gerais e específicas por intermédio do apoio de uma orientadora.

 

Para quem:  alunos do 2º ao 5º ano

 

 

Organização e Horários

1 – Organização

  1. Recreação

A RECREAÇÃO ocorrerá todos os dias para as crianças do Maternal ao 6º ano com a orientação das professoras contratadas especificamente para esse fim. Elas participarão concomitantemente das atividades descritas acima e de acordo com a opção da família.

 

  1. Linguagens

Maternal – Todos os dias (conforme informações detalhadas nas tabelas que seguem).

Educação Infantil – Todos os dias (conforme informações detalhadas nas tabelas que seguem).

Ciclos I e II e III – Todos os dias (conforme informações detalhadas nas tabelas que seguem).

Atividades: Ballet e dança aplicada a consciência e expressão corporal; Teatro; Capoeira; Percussão; Circo; Culinária nas tardes do Sítio; Yoga; Esportes; Desenho humanístico; Oficina de Matemática; Oficina de produção textual e Apoio Pedagógico.